Goma Gringa

LP DESCONSTRUÇÃO. a portrait of São Paulo's musical scene

Uma vontade de compartilhar mundo afora a cena musical paulista contemporânea.

Estamos felizes em apresentar o nosso primeiro lançamento "internacional", uma coletânea de 10 faixas feita em parceria com Antal da Rush Hour a partir dos nossos lançamentos. Produzido e prensado na Europa, o disco é distribuído exclusivamente pela Rush Hour em Amsterdã e esta então agora disponível no Brasil!


“Uma florescência de cor no meio do cinza"  8.3/10 Pitchfork

“[…] Esta coletânea documenta perfeitamente a cena paulista atual e conta gênese coletivista e democrática de Metá Metá" Les Inrockuptibles

Ouça

Ficha Técnica

Produzido por Goma Gringa Discos e Rush Hour.
Fotografia: Drago - Selva SP “Fosca e Fogo”
Liner Notes: Olivier Cathus (afrosambas.fr)
Layout: Frederic Thiphagne
Distribuido exclusivamente por RUSH HOUR Music - Amsterdam

DESCONSTRUÇÃO por Olivier Cathus

Por muito tempo São Paulo, « a cidade cinza», teve a reputação sinistra de ser o túmulo do samba. Agora não mais. Hoje, ela é definitivamente o lugar para se estar, o laboratório da cena musical contemporânea mais animada de todas as cidades brasileiras. Esta primeira coletânea do jovem selo Goma Gringa se destaca como um manifesto desta efervescência.

Desconstrução reúne faixas de vários álbuns considerados referências na música brasileira do século XXI: Encarnado de Juçara Marçal (2014), Metá Metá (2011) e Metal Metal(2012) do trio Metá Metá, Bahia Fantástica (2012) e Conversas com Toshiro (2015) de Rodrigo Campos, Malagueta, Perus e Bacanaço (2013) e Space Charanga R.A.N. (2015) de Thiago França, assim também Cambaco de Vicente Barreto (2015).

Juçara Marçal, Kiko Dinucci, Marcelo Cabral, Rodrigo Campos, Romulo Fróes, Sérgio Machado, Thiago França e alguns outros não são um movimento. Eles são uma unidade em movimento, sempre ligados de um projeto para outro. A desconstrução é o primeiro passo. O projeto como um todo desmantela padrões tradicionais, seja o samba, jazz, rock, afrobeat ou acima de tudo a MPB. O objetivo não é de definitivamente elimina-los, mas ao contrário, construir música a partir deles. Desfazer para reconstruir.

Juntos, esses artistas criaram uma assinatura sonora marcante, sempre imprevisível, evitando os caminhos que outrora já tomaram. O que torna esta música tão única é a sensação de que ela cresce como uma conversa improvisada, em torno de um tema principal, todos eles têm muito a dizer, mas sempre deixam espaço e ouvem uns aos outros.

Texto editado a partir do release de Olivier Cathus


Newsletter