0

Seu carrinho está vazio

Spiritmuse Records

KAHIL EL’ZABAR’S ETHNIC HERITAGE ENSEMBLE "OPEN ME, A HIGHER CONSCIOUSNESS OF SOUND AND SPIRIT" (2LP, importado, novo, lacrado)

ou até 12x de r$ 36,84


↳ Alguém diz que o Jazz está morto?

Estado: NOVO
Formato: 2xLP 180gr
Ano de prensagem: 2024
País de prensagem: Reino Unido
Condição Capa/Disco: S / S (?)


  • Comemorando 50 anos do legado do Ethnic Heritage Ensemble e contribuição inabalável para a Grande Música Negra

    Esta é a nova oferta de Kahil El’Zabar e seu Ethnic Heritage Ensemble, em conjunto com o 50º aniversário do lendário grupo, “Open Me, A Higher Consciousness of Sound and Spirit.”

    Open Me é uma alegre homenagem às novas direções portentosas do Ethnic Heritage Ensemble; é uma viagem visionária às raízes profundas e às rotas futuras, canalizando tradições antigas e novas. Mistura composições originais de El’Zabar com clássicos atemporais de Miles Davis, McCoy Tyner e Eugene McDaniels. Assim, o Ethnic Heritage Ensemble continua a afirmar a sua presença indelével de meio século no continuum da Grande Música Negra.

    Open Me, a sexta colaboração de El’Zabar com Spiritmuse em cinco anos, marca mais uma entrada em uma série de gravações aclamadas pela crítica que remontam à primeira gravação do Ethnic Heritage Ensemble em 1981. O famoso multipercussionista, compositor, designer de moda e ex-presidente da Association of Creative Musicians (AACM) está no que pode ser a forma mais produtiva de sua carreira e, agora com setenta anos, não mostra sinais de desaceleração. Poucos conjuntos musicais criativas podem ostentar tamanha longevidade, e menos ainda estão em turnê com tanta energia e gravando com a energia do Ethnic Heritage Ensemble.

    O Ethnic Heritage Ensemble foi fundado por El’Zabar em 1974 originalmente como um quinteto, mas logo foi reduzido à sua forma clássica – um trio, com El’Zabar na multipercussão e voz, além de dois sopros. Era um formato incomum, mesmo para os padrões atípicos dos músicos da AACM: “Algumas pessoas literalmente riram de nossa instrumentação e abordagem pouco ortodoxa. Éramos considerados ainda mais estranhos que a maioria das bandas da AACM na época. Eu sabia em meu coração que esta banda tinha pernas, e que meu conceito era baseado na lógica no que se refere à história da Grande Música Negra, ou seja, uma base rítmica forte, harmônicos e contraponto inovadores, interação e cacofonia bem equilibradas entre os músicos, solistas individuais fortes, dinâmica de conjunto altamente desenvolvida e estudada, um conhecimento profundo da história da música, originalidade, destemor e profunda espiritualidade.”

    Com El'Zabar no comando, a formação da banda sempre esteve aberta a mudanças e, ao longo dos anos, o Ethnic Heritage Ensemble recebeu dezenas de músicos reverenciados, incluindo Light Henry Huff, Kalaparusha Maurice Macintyre, Joseph Bowie, Hamiett Bluiett e Craig Harris. A formação atual foi consolidada ao longo de duas décadas - o trompetista Corey Wilkes entrou no círculo há vinte anos, enquanto o saxofonista barítono Alex Harding ingressou há sete anos, depois de ter tocado com El'Zabar desde o início dos anos 2000 em grupos como Defunkt de Joseph Bowie.

    Para Open Me, El’Zabar optou por levar o som do Ethnic Heritage Ensemble a uma nova direção, adicionando instrumentos de cordas — violoncelo, tocado por Ishmael Ali, e violino/viola tocado por James Sanders. A adição de cordas abre novas ressonâncias texturais e dimensões tímbricas na sonoridade do Ensemble, ligando o trabalho à tradição de improvisação de violino e violoncelo de Ray Nance a Billy Bang, Leroy Jenkins e Abdul Wadud.

    Open Me contém uma mistura de composições originais, incluindo algumas clássicas de El'Zabar, como “Barundi”, “Hang Tuff”, “Ornette” e “Great Black Music” (muitas vezes atribuída ao Art Ensemble of Chicago, mas que é, na verdade, uma composição de El'Zabar). Há também faixas extraídos da tradição moderna, que El’Zabar organiza de forma única, incluindo uma interpretação contemplativa de “All Blues” de Miles Davis. 
    Como uma celebração de aniversário marcante e uma declaração de intenções futuras, Open Me carrega sem esforço a visão curativa de El’Zabar da Higher Consciousness of Sound and Spirit (Consciência Superior do Som e do Espírito).

    Alguém diz que o Jazz está morto?

  • Utilizamos uma classificação baseada nos padrões internacionais Goldmine e Record Collector Grading Systems. É o código universal para descrever precisamente a condição de um disco.

    S • Sealed / Lacrado
    O disco e a capa estão novos e ainda lacrados.

    N • New / Novo
    O disco e a capa estão novos, nunca tocados, porém não lacrados.

    M • Mint / Estado de novo
    O disco está em estado novo, absolutamente perfeito.
    Capa e documentos adicionais como encarte, folheto ou cartaz estão em perfeitas condições.

    NM • Near Mint / Quase Novo
    Descreve um disco quase novo, esta graduação é utilizada para discos que aparecem praticamente impecável, mas não perfeito. Uma marca superficial muito pequena pode aparecer no disco. No entanto, o disco deve tocar sem qualquer ruído sobre o defeito, a qual deve ser muito difícil de detectar.
    A capa fica perto de perfeita, nova, com apenas mínimos sinais de desgaste. Marcas menores na capa (devido à borda externa do disco que ficou dentro) ficam aceitável, porém a arte da capa deve ser tão perto da perfeição quanto possível.

    EX • Excellent / Excelente
    O disco mostra alguns sinais de ter sido tocado, mas há muito pouca atenuação na qualidade do som.
    A capa e a embalagem pode ter um ligeiro desgaste mas um excelente aspecto geral.

    VG+ • Very Good Plus / Muito Bom Plus
    A condição mais comum para os discos. O disco foi tocado algumas vezes, mas não exibe grande deterioração na qualidade do som, sem desgaste, apesar de leves e ocasionais marcas superficiais.
    A capa tem alguma imperfeição de manipulação como uso e desgaste normal, etiqueta de preço, marcas leve de vinco, … A capa também pode ser em perfeita condição, porem com um selo de DJ ou de cópia promocional, ou com um corte no canto.

    VG • Very Good / Muito Bom
    Capa que sofreu de dobrar, deformação de lombada, descoloração... Agora os sinais da idade e manuseio estão começando a aparecer. Você pode notar algum desgaste na superfície, há algum ruído e estalos. O disco pode ficar levemente empenado. Na dúvida, caso não tem uma descrição clara da condição no qual se encontra o disco, pode ser bom perguntar mais detalhes ao vendedor.

    VG- • Very Good Minus / Muito Bom Menos
    Os sinais da idade e manuseio estão muito presente. O disco apresenta desgaste na superfície, fica arranhado e toca com ruídos e estalos. O disco pode ficar levemente empenado e pode pular. Na dúvida, caso não tem uma descrição clara da condição no qual se encontra o disco, pode ser bom perguntar mais detalhes ao vendedor.
    Capa com muita marcas de idade e manuseio, deformação de lombada, descoloração...

    G • Good / Bom
    O disco foi tocado tanto que a qualidade do som foi visivelmente deteriorado, ruídos permanente, distorção e arranhões. Pode pular em vários momentos. A capa e os conteúdos podem ser rasgado, manchado e/ou apagado, também pode haver alguma escrita nela.

    B • Bad / Ruim
    O disco não toca corretamente devido a arranhões, ruídos ruims, pulos, etc ... A menos que seja algo muito raro não vale a pena escutar um disco nesta condição.
    A capa e os conteúdos são bastante danificados ou parcialmente ausentes.

    NA • Not Applicable / Não Aplicável
    Não tem disco, esta faltando.
    Não tem capa e/ou o disco se encontra numa capa branca, sem informação nenhuma.